sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Presépio V - o presépio

E nesta última fotografia vê-se todo o presépio.

As fotografias colocadas durante esta semana não fazem justiça quanto à beleza do presépio, já para não referir ao trabalho que o avô materno da Menina R teve.

Todo este presépio foi pensado e elaborado pelo avô materno da Menina R. Somente as figuras, as casas, o moinho e as árvores é que foram compradas, de resto, tudo foi feito manualmente. O presépio foi feito com cortiça, com placas de esferovite, que foram coladas e cortadas. Foi pintado com tintas e utilizada areia.
Foi electrificado, as pás do moinho giram, a fonte brota água, as casas no seu interior tem luz, bem como o interior da gruta.
Este ano o rio está seco, mas no próximo Natal irá correr água.

Espero que todos tenham tido umas festas felizes e que este ano de 2015 corra de feição a todos. 

10 comentários:

  1. Dadas as outras 4 fotografias, confesso que imaginava que o presépio seria uma "coisa enormesca". Até estava a imaginar que ocuparia uma garagem ou pelo menos, uma área comparável à superfície de uma mesa de jantar (daquelas para famílias grandes). Mas afinal, até que é um presépio compacto mas construído em altura. Apresentar fotografias de pormenores tem essa vantagem, permite-nos fazer com que os outros imaginem coisas que poderão não corresponder à realidade.

    O avô materno da Menina R (vou passar a chama-lo de Américo, porque fica mais fácil do que estar a escrever sempre "avô materno da Menina R") está de parabéns. Ao contrário do genro, que pelos vistos não mexeu um pentelho, vê-se que o senhor Américo é uma pessoa prendada e que domina os trabalhos manuais. Curiosamente, este presépio fez-me lembrar o meu avó materno, que também gostava muito de "construir coisas", sendo que a especialidade dele era madeira. Será que o gostar de trabalhos manuais é uma qualidade que só os avôs maternos possuem? Será que os avôs paternos, por inerência de terem filhos homens, perderam esse gosto pelos trabalhos manuais?
    Acho que esta questão merecia um estudo sociológico.
    :-)


    PS: E continuo a ter que dizer que não sou um robot.

    ResponderEliminar
  2. sou eu a ocupar tempo com a loiça e o avô da menina R com o presépio! Já o questiuncas fica à espera q alguém faça alguma coisa p depois, simplesmente clicar no botão da máquina e fotografar. O que, pensando bem, tb é trabalho manual...

    ResponderEliminar
  3. Realmente o Sr. " Américo" tem uma paciência de אִיּוֹב !!!
    Mas o genro sabe como o engraixar !
    Para o ano temos água !
    Será canalizada ou aproveita alguma das perdas do SMAS ?

    ResponderEliminar
  4. bem... eu estava a espera de uma coisa enorme, e afinal todo aquele mundo estava num espaço tão pequeno!!! o avô da menina R é artista, a menina R também já demonstrou recentemente os seu dotes artísticos num postal de Natal, e o dono do blog também é um artista, daqueles que inventa histórias e até faz fotos para nos mostrar uma realidade falsa. Como fez com este presépio, parecia enorme e depois cabe num cantinho da sala! :)
    Isso até deve doer o coração desmontar... um excelente 2015!

    ResponderEliminar
  5. Todo o Presépio está uma obra de arte. O avô é de facto um artista e merece a nossa admiração. Faz favor de lhe transmitir as nossas observações!
    1 beijo

    ResponderEliminar
  6. Olha... também tenho lacinhos desses... Bah! Ninguém pode ver nada...
    Fica decretado: É NATAL O ANO INTEIRO!!!!
    Agora só quero saber onde se assina a petição: NINGUÉM DESMANCHA O PRESÉPIO...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu assino! (e não sou um robot, pelo menos que eu saiba)

      Eliminar
  7. Depois de ver as fotos anteriores e agora aparecer o presépio por inteiro fez-me ficar boquiaberta.
    Ainda mais surpreendida fiquei com o trabalho do avô da menina R. Uma autêntica obra de arte e um artesão excelente.
    Deve ser muito triste ter de desmanchar o presépio, eu por mim, deixava-o aí o ano inteiro.
    Fico à espera de ver no próximo ano ver a água a correr.
    Ficam aqui expressos os meus sinceros parabéns ao vovô!

    ResponderEliminar
  8. Vou transmitir ao dono do presépio o contentamente aqui expresso nos vários comentários.
    Só falta dizer que o avô da Menina R chama-se Alberto, o Remus quase que acertava - convém dizer, para não haver equivocos - não há prémio por ter quase acertado.

    ResponderEliminar
  9. Mas o que não sabe, é que o Remusinho até que acertou no nome do ilustre construtor de presépios. Primeiramente eu tinha escrito Alberto, mas depois acabei por mudar o nome de Alberto para Américo. Sendo que Américo surgiu por meio de um acrónimo de Avô da MEnina R (sendo que R é de RIta). A ideia até era para o chamar de Amérito, mas como esse é um nome castelhano, e não conhecendo o senhor, não quis ferir susceptibilidades, pelo que acabei por usar o nome Américo.

    Se não há prémio por ter quase acertado. Será que há prémio por ter acertado e pensado mais além?
    :-)

    ResponderEliminar