sábado, 29 de junho de 2013

Porta e afins - 32

Porta telefone velho

Rua do Almada, Porto

quinta-feira, 27 de junho de 2013

A lua

Queriam que o título deste post fosse antes " A cruz" ou "Azul" ?
Isso seria o óbvio, seria que muitos fariam. Eu não sou uma ovelha do rebanho, mas também não sou nenhum pastor.

(ponto branco, ligeiramente acima do braço esquerdo da cruz)

terça-feira, 25 de junho de 2013

Pessoas importantes



Todos nós temos as nossas pessoas importantes, esta é a minha querida marida.
Como ela não se deixa fotografar (manias), só à socapa é que consigo.
Por falar em pessoas importantes, à direita estão duas pessoas muito importantes para a minha querida marida, a mãe e a madrinha.

domingo, 23 de junho de 2013

S. João

Hoje é a noite mais longa do Porto.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Porta e afins - 31

Porta da saudade
Cemitério Prado do Repouso, Porto

Antes demais, uma explicação do porquê desta porta (lá por não ter puxador, penso que se possa considerar na mesma porta).
Depois do Remus ter considerado que tinha superado o desafio da Porta da Casa de Banho, lançou-me outro. Mas, desta vez não era possível retratar o que pedia, pelo menos daquela forma. Pelo que, sem fugir totalmente ao pedido, "contornei" o desafio lançado.

Agora, uma breve explicação sobre quem são aquelas pessoas maravilhosas ali identificadas.
As duas de cima são os meus avós paternos, e o meu tio, que nunca conheci.
Os meus avós nasceram em Arcos de Valdevez e vieram viver para o Porto.
O meu avó foi alfaiate, durante muitos anos, com estabelecimento na Rua de Santa Catarina, quase em frente ao edifício que agora é o Via Catarina, mas anteriormente foram as instalações do jornal "O Primeiro de Janeiro".

Enquanto não fui para a escola primária e como os meus pais trabalhavam, todos os dias vinha para casa dos meus avós. Todos os dias ia com a minha avó ao Mercado do Bolhão e à mercearia Pérola do Bolhão. Muito brinquei com os botões que o meu avó tinha na alfaiataria...

A saudade é uma porta que nunca se fecha, assim como o amor por certas pessoas.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Porta e afins - 30

Porta Correia de Abreu

Rua 31 de Janeiro, Porto.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Janela indiscreta

Casa das bonecas da minha querida marida, para a menina R brincar.
(casa montada pelo avô da menina R)
((lapso de escrita, é pelo avô e não pela avó, apesar de ela também ter ajudado))

domingo, 16 de junho de 2013

sexta-feira, 14 de junho de 2013

19

Faz hoje dezanove anos que a minha querida marida me viu pela primeira vez.
Foi na Rua Sá da Bandeira, mais ou menos neste local.
Na altura achou-me antipático.

Moral da história: nunca confiem nas primeiras impressões (se elas forem negativas).

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Os trabalhos

Alguém deu-se ao trabalho de fazer pão;
alguém deu-se ao trabalho de grelhar febras;
eu dei-me ao trabalho de comer.

Moral da história:  quero mais.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Porta e afins - 28

Porta amarelo torrado gasto
Rua Entreparedes, Porto
É uma velha porta, mas bonita, na minha opinião.

domingo, 9 de junho de 2013

Vamos conversar


Conversas há muitas.
Dois dedos de conversa,
Conversa de surdos,
Conversa da treta,
Há quem prefira a acção à conversa,
Há quem só tenha conversa,

E, qual é a vossa conversa?

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Porta e afins - 27

Porta amiga 2
A Rute teve a enorme simpatia de me dedicar uma bela porta alentejana.
Já lhe agradeci no seu blog, mas seria uma grande indelicadeza minha não o fazer neste meu espaço.

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Mia comigo



Ela era a gata mais esbelta que naquela rua habitava.
Pelas gatas era invejada, pelos gatos era desejada.
Da sua janela ao correr da rua, todos os dias o via, sempre de olhar triste e com um andar pachorrento ao sabor da coleira do dono.
Ela não ligava a nenhum dos gatos que por ali passavam, mas sempre que o via, seus olhos ganhavam uma outra vida.
Um dia tudo foi diferente, ele não vinha com a coleira, era fácil de ver, a alegria percorria-lhe o corpo. Ela, num impulso saltou da janela e correu na sua direcção.
Ele mal a viu parou estático a admirá-la e no tom mais doce que alguma vez ouvira, ela disse-lhe:
"Mia comigo".
Ele de imediato mudou de feições, como se num instante o peso de todas as coleiras do mundo o vergassem e, cabisbaixo, já sem qualquer réstia de alegria, disse-lhe:
"Não posso, sou um cão."


Fotografia tirada na Rua Formosa, Porto ao tolde da loja Miacomigo. 
Para que não me chamem outra vez de vampiro,ali estou eu a tirar a fotografia

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Porta e afins - 26

Porta WC Remus 2
Avenida do Brasil, Porto.
Esta é a segunda porta resultante do desafio lançado pelo Remus.
Se a primeira chamei-a de capitalista, esta já não o é (não é necessário meter moeda).
Podemos dizer que esta porta também é do alívio, de um grande alívio. Estava na Avenida do Brasil, num dia em que houve uma corrida e de certeza que alguns corredores no final da corrida lá foram.

Apesar desta porta e da porta anterior serem de sistemas económicos diferentes, ambas permitem a mesma sensação de alívio.
E como alguém disse: "não interessa qual é o caminho a percorrer, interessa chegar ao destino."