quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

sábado, 19 de janeiro de 2013

Aceitam-se propostas

AVISO

Aceitam-se propostas para limpeza da tecla N do meu teclado.
Quem estiver interessado terá de fazer a proposta indicando o seguinte:
  1. Custo da limpeza - só serão consideradas propostas com valor inferior a 500.000 €;
  2. Prazo de execução - só serão consideradas propostas que demorem menos de 364 dias;
  3. Materiais de limpeza - dá-se preferência a utilização de produtos não abrasivos e amigos do ambiente (serão recusadas propostas em que se utilize dinamite, seus derivados e quaisquer tipos de substâncias radioactivas);
  4. Preferência - a proposta que também inclua a limpeza da tecla H, gratuitamente, terá preferência sobre as demais;
Se as propostas que forem recebidas não agradarem de todo ao ilustre dono do teclado, poderá este fazer a limpeza do teclado e apresentar os custos dessa limpeza a todos os que apresentaram propostas.

Aguardo as Vossas propostas e lembrem-se, que um teclado tem muitas teclas. .  .

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

O último impossível

- Amor - disse ela com uma voz doce e meiga - compras-me?
- Compro?! Compro o quê?
Ainda com uma voz mais meiga e doce, disse ela - Aquela ponte.
- Outra vez!!!! Sempre a mania das grandezas. - disse ele com uma voz exaltada. Na semana passada querias que alugasse a Lua para ti por três semanas, no mês passado querias que eu pintasse todos os cavalos do mundo de esverdeado, a tua cor preferida. Chega! O meu amor por ti é tão grande como os teus desejos, mas como os teus desejos, também é um amor impossível.

Final da história e também final do namoro.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

A última ponte


Antes do Rio Douro chegar ao mar, ainda tem de passar por mais uma ponte, a ponte da Arrábida.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

O pintor - 2ª parte


Esta é a fotografia que o pai da menina estava a tirar ao reflexo da árvore na água.

sábado, 5 de janeiro de 2013

O pintor

Era uma vez um senhor que era pintor.
Todos os dias saía de casa bem cedo com um balde de tinta. A tinta era em tons amarelo-laranja.
Já não se lembrava há quantos dias fazia aquele percurso até à árvore das lâmpadas que estava a pintar.
As pessoas passavam por ele e punham-se a olhar com tristeza, coitado, diziam uns. Outros, mais descorteses, chamavam-lhe doido, maluco ou outros nomes. Ele fazia de conta que estava sozinho com o seu pincel a pintar as lâmpadas e ignorava tudo o demais à sua volta.
Até que um dia, parou de pintar e afastou-se alguns passos da árvore. Pôs-se a admirar o seu trabalho e sentiu-se feliz com o que via. Estava há já alguns minutos imóvel, só mexendo os olhos para ver todos os pormenores da sua árvore, quando uma menina toca-lhe na manga da sua camisa.
- Senhor, falta pintar aquela lâmpada lá em cima.
O pintor ao ouvir aquela diferente e meiga voz, olhou para a menina e disse-lhe:
- Sabes, aquela lâmpada era a última que ia pintar, mas acho que deve ficar assim. Serve para ilustrar que cada um de nós tem algo de diferente dos outros.
A criança ouviu a explicação, sem ter percebido totalmente o porquê - talvez daqui a alguns anos entenda as palavras ditas.
Educada como era, disse bom dia ao senhor pintor e foi ter com o pai que estava a tirar uma fotografia ao reflexo da árvore no lago que ali havia. Contou ao pai e este pôs-se a olhar para aquela lâmpada não pintada. 
Pensou o pai, então essa é que era a última lâmpada que o pintor não quis pintar, ora aqui está um motivo para tirar uma fotografia.

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Últimos doces

Uma das minhas últimas fotografias de 2012. Foi para terminar o ano com algo doce, já que o próximo...

Só para a estatística, a minha última fotografia de 2012 foi tirada à minha querida marida, também uma forma de terminar o ano docemente.